Inventários

Gestão de Inventário – quais as obrigações!

inventario

A gestão dos inventários, sejam de mercadorias, matérias primas, peças ou produtos acabados, assume uma relevância por vezes decisiva na rentabilidade das empresas. Apesar de ser um assunto especialmente abordado no final do ano, altura em que grande parte das empresas efetua o inventário físico das suas existências, a necessidade de uma gestão global e permanente é fundamental.

Esta gestão deverá ter como objetivos:

  • Evitar stocks excessivos;
  • Evitar quebras de stock;
  • Evitar a existência de monos;
  • Reduzir custos de armazenagem;
  • Controlo rigoroso das entradas e saídas.

Ainda dentro desta temática, para além da gestão, existem ainda algumas obrigações legais que deverão ser cumpridas pelas empresas.

Neste segmento destacamos:

Comunicação dos inventários

Obrigação introduzida no início de 2015, segundo a qual as empresas com volume de negócios anual superior a 100.000,00€ devem comunicar à Autoridade Tributária, até 31 de janeiro do ano seguinte, o inventário à data de 31 de dezembro.

Adoção do inventário permanente

Com a última reformulação das regras do SNC (Sistema Normalização Contabilística), o número de empresas obrigadas a adotar o inventário permanente aumentou consideravelmente, por via da redução dos limites legais.

Assim, todas as empresas que comercializem bens, exceto as consideradas como “microentidades”(1), devem configurar os seus programas de gestão de stocks para o inventário permanente e caso não tenham um programa, aconselha-se vivamente a sua aquisição.

(1) Empresas que não ultrapassem dois dos três limites: Total do balanço: 350.000€; Volume negócios: 700.000€ e Número médio de empregados: 10.